Reviews

Stranger of Paradise é estranho, confuso, feio e muito bom

Ao contrário do que os trailers podem apontar, Stranger of Paradise: Last Fantasy Origin tem muito mais a oferecer do que memes.

Por trás de uma camada de lixo de espessura praticamente inconcebível, este RPG de movimento esconde momentos de brilhantismo em um sistema de luta que tem um id pessoal, mas que, no entanto, esbanja referências ao legado de Last Fantasy.

Promovendo

E ele também esconde o choque de descobrir que a cena em que o protagonista termina uma discussão participando do Limp Bizkit em seu celular não é nem de longe a segunda mais estranha da história.

Divulgação / Sq. Enix

Interpretado nos trailers como um Souls-like – que deve ser um pesadelo para o jogo, que foi lançado praticamente ao lado do monstruoso Elden Ring – Stranger of Paradise atrai não apenas do software From Software, mas também de jogos como Ninja. Gaiden, Satan Might Cry e, de fato, Last Fantasy.

O jogador controla Jack Garland, um guerreiro a serviço do rei que caça monstros com enorme brutalidade, e é auxiliado por até dois companheiros gerenciados por inteligência sintética, que têm a função vital de distrair os inimigos em momentos de dificuldade.

Promovendo

Cada Jack e seus companheiros imitam os protagonistas dos videogames básicos de Last Fantasy, tendo a capacidade de transferir livremente entre variados ‘trabalhos’ – cursos totalmente diferentes de lutadores correspondentes a Warrior, Dragoon e Black Mage. As lições têm arbustos de desenvolvimento separados, além de talentos particulares distintos.

A reviravolta de Satan Might Cry em Stranger of Paradise existe na maneira como Jack está pronto para alternar livremente entre dois cursos durante a luta, virtualmente como Dante mudando de uma arma para a oposta. O jogador pode, por exemplo, usar um feitiço de energia elétrica para paralisar um inimigo no local, depois trocar para a classe Berserker e desencadear ataques corpo a corpo consecutivos sem represálias.

Tal sistema de desenvolvimento de categorias é o maior trunfo do RPG. Ele concede ao jogador grande liberdade para moldar o protagonista em vários estilos de jogo alternativos, enquanto presta homenagem a alguns dos cursos mais emblemáticos da história de Last Fantasy.

Divulgação / Sq. Enix

As batalhas são muito parecidas com o movimento de Nioh e Darkish Souls visualmente, mas Stranger of Paradise tem seu ritmo pessoal. Jack tem à sua disposição muitos instrumentos a mais do que o frequente protagonista de um Soulslike, e, nos braços de um participante que entende as técnicas do esporte, pode atravessar situações destruindo inimigos sem problemas.

Cada Jack e seus oponentes têm uma barra de postura estilo Sekiro. Ataques consecutivos influenciam o medidor e, quando ele fica totalmente vazio, o objetivo se torna vulnerável a explosão de alma – um ataque mortal que faz com que o medidor de MP de Jack se desenvolva.

Promovendo

Com MP extra, o herói tem propriedades extras de flexibilidade para fazer uso de feitiços e talentos específicos e, assim, progredir através dos níveis. Geralmente, executar uma explosão de alma cria uma onda de influência que enfraquece os inimigos próximos e abre espaço para combos muito satisfatórios de finalizadores brutais.

Se o participante morrer, é exatamente o progresso da barra de MP que Jack perde. Desta forma, o esporte favorece aqueles que avançam pelas fases de forma agressiva, tornando o protagonista cada vez mais forte ao longo de uma parte em que vai dominando seus adversários. Morrer bem antes de um chefe e descartar fatores inestimáveis ​​de MP é uma punição impiedosa – mas não tão impiedosa quanto descartar fatores de experiência reunidos, como ocorre nos videogames do tipo Soulslike.

A barra de postura ainda precisa ser usada engenhosamente em conjunto com a mecânica de proteção da alma – um forte bloqueio que pode estar relacionado a contra-ataques e que também é capaz de absorver certos feitiços utilizados pelos inimigos. Ao segurar o botão de proteção da alma, Jack enfraquece sua postura, mas se torna capaz de usar a energia pessoal de seus oponentes em oposição a eles mesmos.

O esporte funciona com isso habilmente em certas condições. Um chefe logo no início da jornada, por exemplo, tem metades de lareira e água, que lutam individualmente. Jack pode enfrentar ataques de meia água e usá-los para apagar a lareira do inimigo oposto com facilidade.

Promovendo

Divulgação / Sq. Enix

Junto com o sistema de luta, pode haver outro fator de Stranger of Paradise que roube o destaque. Cada faceta da narrativa deste estranho spin-off, desde as conversas que os heróis têm ao longo dos níveis até as cenas finais, é espetacularmente aterrorizante.

Durante toda a sua jornada, tentei continuamente discernir se os absurdos sobre os quais os personagens estavam falando foram o trabalho de uma força de trabalho de escritores que abraçou propositalmente a missão de inventar essencialmente a narrativa mais incompreensível já vista em um jogo online. ou no caso de falta de bens. , tempo ou conversas com seres humanos reais o suficiente para criar uma narrativa que fizesse sentido.

Não consegui chegar a uma conclusão.

De qualquer forma, o desenrolar da narrativa de Stranger of Paradise é fascinante de se ver. É como ver um acidente na face da rua: por mais que você entenda que não deve, é trabalhoso desviar o olhar. Geralmente os personagens parecem mudar completamente sua visão de si mesmos e do mundo ao seu redor mais do que em um único diálogo. Essa linha foi uma piada, um comentário irônico ou uma das revelações dramáticas em todo o passado histórico? Não é possível saber.

Juntamente com a simplicidade de Jack, que se importa tão pouco com a história que parece estar pulando as cenas pessoais do esporte, esse caos narrativo é surpreendentemente participativo. Por todas as causas erradas, eu sempre apareci na frente da próxima cena final.

Promovendo

Divulgação / Sq. Enix

Se a história é tão perigosa a ponto de ser boa, existem fatores específicos em Stranger of Paradise que podem ser simplesmente perigosos.

Visualmente, o esporte é uma multidão. As situações confundem-se numa sequência de corredores idênticos recheados de texturas desfocadas e com um aspecto esquisito de humidade que remete aos tempos da PlayStation 3. Não é raro perder os meios simplesmente porque assume que um espaço sem precedentes já visitado antes.

Os graus se tornam muito mais decepcionantes assim que o participante percebe que a intenção dos construtores era homenagear jogos totalmente diferentes de Last Fantasy numerados em cada um deles. O conteúdo textual nas telas de carregamento revela tais alusões, que não são possíveis de determinar simplesmente experimentando as situações, que parecem genéricas demais para comportar qualquer tipo de motivação do tipo. Um exemplo é o complicado pântano de Refrin Wetlands, que supostamente está impressionado com o Sunleth Waterscape de Last Fantasy XIII – uma referência que vem apenas dentro da música tema do espaço.

Como Nioh da mesma força de trabalho em crescimento, Stranger of Paradise inunda o estoque dos jogadores com toneladas de itens de drogas de todas as raridades, cores e tipos – 99% deles totalmente ineficazes. É um sistema repleto de números estatísticos detalhados e curiosidades que simplesmente não interessam a ninguém, no entanto, seguidores obstinados. Para o usuário comum, a escolha da otimização de equipamentos computadorizada é suficiente, mas mesmo essas pessoas devem cuidar de estoques lotados rotineiramente.

Com uma substituição, Sq. A Enix atenuou a dificuldade incluindo uma possibilidade que mecanicamente deixa cair equipamentos sob certas métricas determinadas pelo jogador, no entanto, mesmo esta adição levanta a questão do objetivo por trás da existência de tantos gadgets desinteressantes.

Promovendo

Divulgação / Sq. Enix

Sem ambição, claramente indeciso e confuso, e sem nenhuma probabilidade de colidir com o melhor atual Soulslike, Stranger of Paradise é o spin-off perfeito: uma experiência conhecida o suficiente para consolar o fã de Last Fantasy, mas também incomum o suficiente. para despertar a curiosidade.

A estranha jornada de Jack provavelmente está condenada a ser pega em notas de rodapé no passado histórico de Last Fantasy, mas a mera existência de tal herói no panteão da lendária franquia surpreendentemente o torna um pouco mais valioso.

extras/capas/sop.png

extras/capas/sop.png

Lançamento de Stranger of Paradise: Last Fantasy Origin

03.10.2022

escritor

quadrado Enix

desenvolvedor

Tripulação Ninja

Censura

14 anos

Gênero

RPG de movimento

examinado em

PlayStation 5

plataformas

Xbox Series X

Xbox um

PlayStation 5

Playstation 4

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo